Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS E RECADOS

poemas e textos editados e inéditos de JOÃO LUÍS DIAS

POEMAS E RECADOS

poemas e textos editados e inéditos de JOÃO LUÍS DIAS

Obviamente, de amor

 

Já foste pedaço da minha noite

poisada em mim até ao adormecer.
Já foste pela minha madrugada adentro

querendo-te ainda mais que ao sono.
Já foste a minha noite toda
precedida pela manhã.
Hoje és tudo em todo o meu dia
e a todos os instantes;
és composição maior do ar que respiro.
Mas serás, e quero eu sejas
todo o meu respirar
inspirando da tua boca o meu sobreviver...

Terras de Bouro

 

GOSTO DA MINHA TERRA; DAS PAISAGENS; DAS NASCENTES DE ÁGUAS FARTAS E LIMPAS; DAS PESSOAS, DAS "HUMILDES" MAIS AINDA. GOSTO DA MINHA TERRA E DEI E DOU POR ELA O QUE SOUBE, O QUE SEI, O QUE PUDE, O QUE POSSO. 

TENHO ORGULHO NA MINHA TERRA, SIM.
MAS EXIGI(MOS) DELA POUCO DEMAIS E TAMBÉM AINDA NÃO LHE DEI (OU DEMOS) AINDA TUDO.
HÁ SEMPRE TEMPO, EU SEI. SABEMOS. 
MAS "ESPERAR NÃO É SABER" MELHOR, EM ALGUNS MOMENTOS.

MAS HÁ SEMPRE TEMPO CERTO PARA AGIR!...



VENTOS, MARÉS E... TRETAS

 

As previsões meteorológicas sempre me irritaram. Sempre me irritaram, porque sempre as achei de pouca utilidade, pelo menos para um vulgar cidadão como eu. Mas também me irritam porque, apesar dos conhecimentos académicos, dos satélites e outros instrumentos científicos usados pelos altos entendedores da matéria para prever ou antever os ventos, as marés, as temperaturas ou as precipitações, nunca dizem nada que um qualquer cidadão não saiba, com um simples olhar ou ouvido atentos. O tempo é condicionado pela posição do sopro do vento. Justifiquemos esta afirmação, com um exemplo simples ou, que seja, simplório: se morarmos encravados entre uma povoação a norte e outra a sul/poente e ambas possuírem uma torre de sino com os respectivos "badalos" em funcionamento regular, será fácil prever o tempo para o dia, ou dias seguintes. Se, “encravado” onde estamos, ouvirmos as badaladas do sino da torre da povoação situada a norte, é mais que certo que no dia seguinte haverá melhoria do tempo, com muitas possibilidades de céu aberto, o vento a soprar de norte, naturalmente, não haverá precipitação e a temperatura do ar, porque as nuvens não encobrem o sol, terá tendência subir. Contrariamente, se ouvirmos as badalados do sino da torre da povoação situada a sul/poente, haverá no dia seguinte uma alteração significativa do tempo, inevitavelmente: o vento soprará de sul, obviamente, o céu ficará nublado e por isso arrefecerá a temperatura do ar e a precipitação (a chuva) será quase certa. Mas dirão: numa povoação situada à beira-mar não poderão haver nos seus limites sul/poente outras povoações, pois aí situa-se o oceano. Muito bem, é apenas uma questão de exclusão: se não se ouvirem as badaladas da torre do sino da povoação situada a norte é sinal que o vento sopra… do mar. Haverá, por isso, a possibilidade do céu nublar, a temperatura do ar arrefecer e a precipitação surgir. Elementar!

É fácil como o caraças saber o tempo que estará no dia seguinte sem ter de gramar com as televisões, as rádios, os jornais e a Protecção Civil a pintar de amarelo ou de outra cor mais dramática o mapa da nossa região, quase sempre protegendo coisa nenhuma.
Poça, é demais continuarem a querer fazerem-nos pessoas de menos!

Boa noite

 

Sonhem. 

Inventem. 
Partam.
Repartam-se... 
E depois, 
mesmo que muito depois, 
voltem. 
Voltem e sejam felizes; 

na chegada, 
na permanência,
em todos os dias do calendário,
mesmo nos dias cinzentos. 
E depois descansem,
se vos obriga a manhã...

Have You Ever Seen The Rain

 

Abaixo do vídeo a tradução que fiz...

 

 

Alguma vez viste a chuva?

Alguém me falou há muito tempo
que há calmaria antes da tempestade.
Eu sei, vem vindo há algum tempo.


Dizem que quando terminar
choverá num dia ensolarado.
Eu sei, brilhando como a água.

Eu quero saber, alguma vez viste a chuva?
Eu quero saber, alguma vez viste a chuva
cair num dia ensolarado?

Ontem, e dias antes
o sol é frio e a chuva é forte.
Eu sei, foi assim toda a minha vida.

Até a eternidade
no seu circular rápido e devagar.
Eu sei, isso não pode acabar, imagino…

Eu quero saber, alguma vez viste a chuva?
Eu quero saber, alguma vez viste a chuva
cair num um dia glorioso?


Delírio

 

Solta-me por ti
agora, que o fogo me cercou
e as chamas me colheram.
Deixa-me arder 
contigo
ateados de desejo...
Então
perdido de mim 

refém só do teu corpo
sufocado e entontecido
destilarei 
no bálsamo perfumado 
do teu ventre!

Em memória,,,

 

Um dia ouvi "House Of The Rising Sun" e não descansei enquanto não aprendi a tocar órgão. O Sr. Joaquim Martins (organista da paróquia) facultava-me a chave do coro da capela de acesso ao órgão e deu-me umas noções de solfejo. Depois fiz o resto sozinho, agarrado a um gosto grande de aprender. Para ele um abraço de saudade, e em sua memória...

JOAQUIM MARTINS. Nasceu pobre. Criou 15 filhos. O gosto maior pela música. A arte de bem tocar órgão. Muitos anos a servir, graciosamente,  de organista na igreja da terra (Covas, Moimenta, Terras de Bouro).
Caramba, é pouco o muito que se diga dele!

Porque as pessoa vivem sempre, se não as esquecermos.

Afectos

 

Podem faltar-me candelabros
cristais azuis
jardins faraónicos 
ou menores jardins de praça de cidade 
multicoloridos ao anoitecer
Mas uma flor
com perfume 
colhida bem cá de dentro
nunca me faltará para uma mulher
porque lhe é devida



Mostro de mim

 

Mostro de mim quase nada

Tango

 

Olho o pinhal pela copa da rama
e ao fundo o mar.
Quer um, quer outro
me parecem inquietos...
E sopra-me uma vontade enorme
de rumar ao sul
de dançar um tango
e sentir o teu cheio
a saciar-me nesta noite.
E ouço a melodia
e fervem-me as veias.
Transpiro e arrepio
e morro mil vezes de desejo.
E tenho o chão
ladrilhado de pétalas que te quero...



E para complementar...



Pág. 1/2