Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

POEMAS E RECADOS

poemas e textos editados e inéditos de JOÃO LUÍS DIAS

POEMAS E RECADOS

poemas e textos editados e inéditos de JOÃO LUÍS DIAS

A canção mais bonita do mundo (video ao fundo)

A mais absurda e fascinante metáfora do mundo

A CANÇÃO MAIS BONITA DO MUNDO

(Joaquin Sabina)

Eu tinha um botão sem casa, um bichinho da seda
Meio par de sapatos de palhaço e uma alma à venda
Uma máquina Olivetti com cáries, um comboio atrasado
Um cartão do Atlético (de Madrid), uma cara (reflectida) no fundo dum vaso
Um colégio privado, um compasso, uma mesa camilha
Uma noz, uma maçã-de-adão, menos uma costela
Um medidor diabético, um cúmulo, um céu nublado, um extracto
O camelo do Rei Baltazar, uma gata sem gato
A minha Annie Hall, minha Gioconda, minha Wendy, as senhoras primeiro
O meu Cantinflas, a minha Bola de Neve, os Três Mosqueteiros
O meu Tintin, o meu yoyó, o meu anel de brilhantes, o meu sete de copas
A varanda onde te desnudei sem te tirar as roupas.
O meu esconderijo, a minha clave de sol, o meu relógio de pulso
Uma lâmpada de Ali-Babá dentro de um chapéu de palha.
Não sabia que a primavera durava um segundo
Eu queria escrever a canção mais bonita do mundo.
Eu queria escrever a canção…
Apresento-lhes o meu avô bastardo, a minha esposa solteira
O padrinho que me apadrinhou na Legião Estrangeira
O meu irmão gémeo, patrão no mercado ambulante
A Simbad, o marinheiro que teve um sobrinho cantor
A puta da minha prima Carlota e o seu cão salsicha
O meu cigarro,a minha camisola de malhas contra a desdita (má sorte)
Borboletas que caçam em sonhos, os meninos com borbulhas
Quando sonham que abraçam a Vénus de Milo sem mãos.
Livrei-me dos tontos por cento, do conto do vigário
Dando aulas numa escola de canto de cisnes
Com Simão de Cirene dei uma volta pelo Monte Calvário
Que farias tu se Adelita fugisse com um comissário?
Em frente ao cabo de pouca esperança arreei a minha bandeira
Se me perco de vista espera-me a lista de espera.
Herdei uma garrafa de rum dum pobre moribundo
Esqueci a lição à volta de um coma profundo.
Nunca pude cantar de uma só vez
A canção da espuma do mar, do relâmpago na veia
Das lágrimas que guardei para chorar quanto valer a pena
Da página grávida no ventre dum bloco trota mundos (passaporte)
De uma gota de tinta no hino dos Iracundos.
Eu queria escrever a canção mais bonita do mundo…


tradução de J. Luís Dias e Noélia Rodriguez