Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS E RECADOS

poemas e textos editados e inéditos de JOÃO LUÍS DIAS

POEMAS E RECADOS

poemas e textos editados e inéditos de JOÃO LUÍS DIAS

ZÉ, COMO LHE CHAMAM

 

O José nunca leu um poema,
não sabe o que é um verso,
uma imagem, uma metáfora.
O Zé, como lhe chamam,
não sabe nada 
das coisas que não lhe dizem nada;
e de mim, sabe muito pouco 
e nem quer saber mais,
porque já sabe o que lhe importa.
O Zé cuida-me da “Estrela”
é meu amigo 
e eu sou amigo dele!
O Zé tem bigode farto,
barriga farta, 
é robusto nos braços,
tem corpo de amedrontar a noite
e um olhar de enternecer o dia todo.
O Zé tem os olhos gordos 
de ver o que eu não sei ver.
O Zé é o homem mais simples do mundo
e, contudo, tem o mundo maior com ele…
e eu não!
O Zé nunca leu um poema
e este também não irá ler.

 

inédito

 

UCRÂNIA

 

Porquê?!
Não haverá valores maiores do que os da morte?!
Eu queria comer, e comi mal. Eu queria abraçar, e esmoreci. Eu queria um poema, e caí antes de erguer o primeiro verso.
Que força é aquela que os faz tombar à mira tremente da bala?; e na hora em que eu queria ter tanto!...

 

 

ENTRETIDO

 

Acendi a noite
apaguei o escuro. 
Para lá da cortina
ficou a janela goteada e fria. 
Eu fiquei no morno, entretido
a contar os dias que soube de sol 
e os de chuva também...
E soube, outra vez
do que soube 
e quis saber
mas quase esquecia e perdia 
no acomodar dos dias
ao efémero dos momentos...

 

inédito

 

Nothing Else Matters

 

Se um poema, quero o que ainda não soube escrever
Se um dia, quero o que ainda saberei inventar
Se balada, hoje, quero esta...

"Nothing Else Matters"

 

... se mulher, quero-te a ti...

 

 

O ROSTO

 

Depois de algumas das palavras, o rosto delas...

 

 

 

 

Obrigado a tantos leitores e de tantas países.

Escrevo aqui por vós...

 

 

DESPERTAR

 

Caio ao chão em cada verso
e a cada poema me levanto
E, assim
neste constante soluçar
sem tempo dos olhos secar
vou despertando de mim...

 

 

SÃO VALENTIM

 

Já que hoje é o dia dele, aí vai o "Valentim".
E troquem abraços, beijos, flores... E troquem, essencialmente, sorrisos, para que o sol, que se esconde, se abra nos vossos olhos.
E sejam felizes!

 

 

VIAGEM

 

Abram-me as portas da rua
cubram de asfalto a estrada
quero um chão onde pousar
vou com pressa atrás da Lua
não poderei tropeçar

Estou com pressa, sem tempo
tenho hora p´ra chegar

Lembrem-me a cesta de vime 
e uma faca afiada
vou invadir os jardins...
soltar flores na caminhada

Acordo na madrugada
não espero o galo cantar
Estou com pressa, sem tempo
Tenho hora p´ra chegar

Tenho pressa...
abram-me as portas da rua
estou de tempo marcado
para ir a nenhum lado! 

 

 

Pág. 1/2