Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

POEMAS E RECADOS

poemas e textos editados e inéditos de JOÃO LUÍS DIAS

POEMAS E RECADOS

poemas e textos editados e inéditos de JOÃO LUÍS DIAS

Vistas do meu terreiro

 

A professora Bruna Real, de 27 anos, contratada pelo Município de Mirandela para dar aulas de enriquecimento curricular na Escola Básica de Dona Chama, farta de receber uma bagatela pelo serviço que prestava (ronda os 10 euros à hora) e para amealhar mais uns trocos, resolveu posar nua para a revista “Playboy” e incendiar de polémica o país, em geral e a região transmontana, em particular, ao ponto do Município a ter suspendido das funções de docência, por achar indecente que esta tenha deixado ao léu a passarinha.

Agora a professora atrevida terá de, no arquivo municipal, para onde foi recambiada por castigo, soar as estopinhas para justificar o salário honrado e manterá a “avezinha” na gaiola, como manda a boa regra.

 

………

 

O Presidente da República, com os dentes cerrados, foi obrigado a promulgar a Lei que permitirá o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

E está muito bem assim. Cada um, e cada uma, casa com quem quer, como quer e quando quer, que ninguém tem nada com isso.

E quanto ao “casai-vos e multiplicai-vos”, bem, isso é mais uma das tretas conservadoras da Igreja, das quais já não reza a história. Sejamos modernos. Não temos que meter a matemática nas relações dos homens, e das mulheres, caramba!

 

……….

 

Portugal, pelos vistos, deve as penas aos pássaros, daí que tenha sido aprovado o PEC (Plano de Estabilidade e Crescimento) que irá vigorar até que se equilibrem as contas do país.

Bem, até acredito que com estas medidas de austeridade se ponham na ordem as contas, mas não estou certo que isso vai contribuir para por ordem no país. Em casa onde não há pão!...

 

……….

 

Querendo dar uma estética/visual especial às tílias que adornam a vila de Terras de Bouro, uns podadores de se lhes tirar o chapéu, quiseram dar chapéu novo às jovens árvores. Daí que as podaram em forma de chapéu à marialva, ou então, chapéu à rebimba (de aba larga) e eis que este se transformou em chapéu dum pobre. 

É ver agora as arvorezinhas de ramo caído e triste e folhas secas de vergonha.