Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

POEMAS E RECADOS

poemas e textos editados e inéditos de JOÃO LUÍS DIAS

POEMAS E RECADOS

poemas e textos editados e inéditos de JOÃO LUÍS DIAS

Porquê, senhora?!

 

Perdoe-me que lhe pergunte, senhora:
Que tempo falta para esta tarde acabar?

Eu sei, não sabe como eu não sei!
Perdoe-me que lhe pergunte ainda, senhora:
É fumo ou nuvem aquela mancha cinzenta no céu?

Eu sei, não sabe como eu não sei!
Perdoe-me que lhe pergunta ainda mais, senhora?

Por que será que quando o vento agitas as árvores

as folhas voam todas na mesma direcção?

Eu sei, não sabe como eu não sei!
Uma só pergunta mais lhe farei, prometo

me perdoando, senhora:
Por que chora, me não parecendo triste?!
Eu sei. Desta vez sei, mesmo que me não responda:
chora porque não sabe como eu não sei
o tempo que falta para esta tarde acabar;
se é fumo ou nuvem a mancha cinzenta no céu;

por que voam as folhas todas na mesma direcção

quando o vento agita as árvores.
E não sabe, como eu não sei, rir
quando sabemos tão pouco de tudo
e quase nada de nós!...
Mas deveríamos aprender, senhora
porque as lágrimas são preciosas demais
para traduzirem a nossa ignorância!

2 comentários

Comentar post