Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

POEMAS E RECADOS

poemas e textos editados e inéditos de JOÃO LUÍS DIAS

POEMAS E RECADOS

poemas e textos editados e inéditos de JOÃO LUÍS DIAS

Ventos e marés

 

As previsões meteorológicas sempre me irritaram. Sempre me irritaram, porque sempre as achei de pouca utilidade, pelo menos para um vulgar cidadão como eu. Mas também me irritam porque, apesar dos conhecimentos académicos, dos satélites e outros instrumentos científicos usados pelos altos entendedores da matéria para prever ou antever os ventos, as marés, as temperaturas ou as precipitações, nunca dizem nada que um qualquer cidadão não saiba, com um simples olhar ou ouvido atentos. O tempo é condicionado pela posição do sopro do vento. Justifiquemos esta afirmação, com um exemplo simples ou, que seja, simplório:

Se morarmos encravados entre uma povoação a norte e outra a sul e ambas possuírem uma torre de sino com os respectivos badalos em funcionamento regular, será fácil prever o tempo para o dia, ou dias seguintes.

Se, “encravado” onde estamos, ouvirmos as badaladas do sino da torre da povoação situada a norte, é mais que certo que no dia seguinte haverá melhoria do tempo, com muitas possibilidades de céu aberto, o vento a soprar de norte, naturalmente, não haverá precipitação e a temperatura do ar, porque as nuvens não encobrem o Sol, terá tendência subir. Contrariamente, se ouvirmos as badalados do sino da torre da povoação situada a sul, haverá no dia seguinte uma alteração significativa do tempo, inevitavelmente: o vento soprará de sul, obviamente, o céu ficará nublado e por isso arrefecerá a temperatura do ar e a precipitação (a chuva) será quase certa. Mas dirão: numa povoação situada à beira-mar não poderão haver nos seus limites/sul outras povoações, pois aí situa-se o oceano. Muito bem, é apenas uma questão de exclusão: se não se ouvirem as badaladas da torre do sino da povoação situada a norte é sinal que o vento sopra… do mar. Haverá, por isso, a possibilidade do céu nublar, a temperatura do ar arrefecer e a precipitação surgir. Elementar!

É fácil como o caraças saber o tempo que estará no dia seguinte sem ter de gramar com as televisões, as rádios, os jornais e a Protecção Civil a pintar de amarelo ou de outra cor mais dramática o mapa da nossa região.

Poça, é demais continuarem a querer fazerem-nos pessoas de menos!