Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

POEMAS E RECADOS

poemas e textos editados e inéditos de JOÃO LUÍS DIAS

POEMAS E RECADOS

poemas e textos editados e inéditos de JOÃO LUÍS DIAS

INVERNO DEMAIS

 

Que me importa se enche ribeiras e rios,
se as águas se perdem no mar.
Que me importa se a chuva cai
como fios retalhos de seda,
insinuando valsas, quando soprada pelo vento,
se mesmo assim me humedece o rosto
as mãos e os pés,
chamando a tosse, a gripe e as constipações.
Que me importa saber se o sol não fugiu para longe,
se se esconde por detrás das nuvens
e não aquece sequer uma flor.
Que me importa se a chuva é precisa,
se o frio é preciso,
se afinal me consigo aquecer e resguardar,
mesmo que aprisionado, com uma lareira acesa,
à custa de uma árvore decepada.
Estou cansado de ti, inverno;
vai dar uma volta, antecipa-te
e deixa no teu lugar a primavera.

 

 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.